segunda-feira, 12 de setembro de 2016

ligação dois

-Alô?
-Eu sei que tem tempo que a gente não conversa, mas eu precisava falar com você.
-Nossa, eu realmente não esperava você aparecer assim do nada. Tá tudo bem?
-Mais ou menos...
-Se for dinheiro, já aviso que não vai rolar.
-Você acha que eu ia te ligar pra pedir dinheiro, seu prepotente do caralho?
-Se me ligou pra me ofender eu vou desligar.
-NÃO! Espera...
-...
-Eu quero falar sobre o que só posso conversar com você, de certa maneira...
-Que seria...?
-Lembra que uma vez você me disse “tem sorte o homem que inspira você”?
-Sim...
-Você realmente queria dizer aquilo, ou era apenas porque era tudo sobre você?
-Eu realmente quis dizer aquilo. Você escreve bem pra caralho, tem talento, sendo sobre mim ou não.
-Quando eu escrevi sobre você, como você se sentia?
-Me sentia super bem, sabia que você me amava. A gente não tem inspiração desse jeito quando não ama de verdade, ou está apaixonado... sei la... eu acho...
-Quando a gente terminou eu escrevi sobre você também...
-Bom, por mais que tenha me machucado algumas coisas, eu achei bom também. Você sempre foi meio fria, demostrava as coisas de um jeito bem diferente do que as pessoas normais demonstram. Quando você mostrou sentimentos sobre nosso término, eu pensei “bom, pelo menos ela sente alguma coisa”...
-Você não tá ajudando muito me chamando de anormal...
-Porra, mas essa é a verdade! Pelo menos a minha verdade, o que é verdade pra mim. Você não é alguém comum, e se usar o termo “não normal” for igual a “anormal”, que seja então... Mas por que essa conversa agora? Tem mais de seis meses que a gente terminou, você só falou comigo uma vez e foi pra me xingar quando tava bêbada...
-Sei lá, queria conversar sobre isso, queria saber, queria... sei lá.
-Mais um relacionamento de merda?
-É, mas um pra conta... Mas tudo bem, acontece, é normal. Eu fiquei pensando que só a dor ou o amor me inspiram pra escrever e ultimamente eu tenho a impressão que perdi um pouco o jeito, não tô mais sentindo tudo com a intensidade de antes... Também acho que nada que eu faço anda fazendo alguma diferença na vida das pessoas... As vezes eu tenho essa mania de querer ser importante pras pessoas e caio nessas armadilhas... Eu mesmo crio as coisas né...
-Você tem um ego gigante, isso é bem verdade, mas você tem importância, na vida de algumas pessoas pelo menos. Se tá sentindo pouco, para de beber, para de tomar remédio, para de fazer o que você não gosta, de se segurar. Solta essa merda toda, joga tudo pra fora e foda-se o que as pessoas pensam... Se vão te achar brega, se vão te achar infantil, se vão te achar ruim... Afinal, todo mundo acha que você caga pra tudo mesmo. Dá razão pras pessoas pensarem assim, já que isso nunca foi inteiramente verdade, agora pelo menos pode ser um pouco.
-Você tem razão. Obrigada... Desculpa por te xingar bêbada...
-Tudo bem, eu já te xinguei bêbado também... Você só não soube.
-Justo. Hein, tem outra coisa.
-O que?
-Eu preciso de vinte reais, você tem minha conta né?
-Vou desligar.
-Beijo, obrigada de novo.
-Quando quiser me liga, a gente terminou, mas nosso relacionamento não foi tão bosta assim né? Dá pra manter um bom relacionamento né...
-A gente sempre se deu bem. Fica tranquilo, eu ligo. Não esquece dos vinte.

-Aham.

Nenhum comentário:

Postar um comentário